4

RESTOS HUMANOS (Elizabeth Haynes)


Com um título um tanto normal demais para um suspense, comprei esse livro sem esperar grandes coisas, somente mais um livro de suspense, mas estava enganada o livro e absolutamente e totalmente alem de um suspense.
 
O livro narra a vida simples e rotineira de Annabel Hayer, uma solteirona de 38 anos que vive com sua gata e que ajuda sua mãe doente. Seu trabalho é como analista criminal e sabe como os assassinos agem e a forma de cada tipo de assassinato, enfim lida com a morte o tempo todo, mas um dia tudo muda quando sua gata sorrateiramente entra na casa vizinha e ela em sua busca pela gata acaba entrando na casa também, e para sua surpresa lá encontra um corpo em decomposição o corpo de sua vizinha quarentona, sentada no sofá e em estado avançado de putrefação. Ao ver sua vizinha neste estado, pensa em como não sentiu falta dela durante esses meses, e o motivo de ninguém mas sentir falta também, então em seu trabalho ela começa a pesquisar quantas mortes dessa maneira ocorrem, e fica assutada com o resultado, não só com o resultado, mas pensa que também poderia ser uma dessas pessoas, morrer sozinha sem ninguém notar sua falta. 
 
A cada capítulo narrado por Annabel descobrimos com ela mais um pouco das vítimas, que são de faixa etárias diferentes e completamente sozinhas por algo que aconteceu no decorrer de suas vidas, conhecemos cada uma com notícias do jornal e logo depois com seus depoimentos, descobrindo assim o que os levou a morte, como o esquecimento chegou a vida deles, porque apesar de tudo todos temos alguém, então porque essas pessoas não tinham?

A autora nos impressiona ao entrar na mente e nas ações do assassino, se é que podemos chamar essa pessoa assim, porque seus métodos são no mínimo inovadores e cínicos, pois entre o medo e aflição da morte de um personagem e o prazer e deleite de outro temos uma noção onde o ser humano pode chegar.

Doente, perverso, esquisito, nojento, bizarro e ainda assim brilhante, as últimas paginas são lidas em um só instante, você quer saber, você quer descobrir, e ao fechar a última página, você estará com medo, medo do que um ser humano é capaz!!
 
Recomendo a leitura para quem gosta do gênero, mas somente para quem curte mesmo um bom suspense, sem reviravoltas, pois o assassino não é cruel, ele idealiza tudo e ele ainda não parou. 
“Se as pessoas pararem de olhar para você, você para de existir? Isso quer dizer que você não é mais uma pessoa? Isso quer dizer que você já está morto?” (p. 59)

"Pouco importava o que acontecesse, eles achariam esses restos humanos antes de ela ter a oportunidade de se transformar, como aconteceu com os outros. Era seu infortúnio, e uma pena, considerando como havia me servido tão bem hoje." (p. 107)
"Você quer saber como tudo começou, não é? Quer descobrir como foi que saí de um curso para adultos de mentes entorpecidas, no qual ensinava a fazer amigos e influenciar pessoas, e passei a orientar desconhecidos a acharem o caminho da autodestruição." (p. 195) 


Um pouco sobre a autora: Elizabeth começou a escrever desde pequena nos parquinhos, ganhou uma máquina de escrever de segunda mão quando tinha 13 anos que deveria ser portátil, mas pesava demais passando todos os fins se semana chuvosos em casa escrevendo. Em 2008 começou a escrever sua primeira história e acabou mostrando a amigos que passou para frente e assim teve seu primeiro livro publicado. É graduada em alemão e arte na Leicester University e seus livros são fortemente influenciados por seu trabalho como analista criminal na polícia de Kent onde mora atualmente. Seus Livros publicados no Brasil são:
 
- No Escuro
- A Vingança da Maré
- Restos Humanos


Comentários
4 Comentários

4 comentários:

  1. Gostei bastante de conhecer um pouco sobre o trabalho da autora. Não conhecia o livro nem o trabalho dela.
    Compraria o livro somente pelo título instigante e pela capa. Depois que li a resenha fiquei ainda mais tentada a comprar. O enredo do livro é muito envolvente e quero saber mais sobre essas mortes solitárias da qual o livro fala!

    ResponderExcluir
  2. Oi :)
    Este livro para mim foi um desempate. Pois amei No escuro e detestei Vingança da Maré. Restos Humanos provou que Haynes é uma escritora promissora. Da mesma forma que ela conseguiu passar toda a angústia de um portador de TOC no seu primeiro livro, neste ela criou um clima todo depressivo para falar de solidão. Mas apesar de melancólica a história é instigante. Mostrar o assassino logo no início realmente foi ousado, mas logo deu para entender que o verdadeiro mistério era como ele matava. Achei um pouco forçado seu método, mas isso não desmereceu o livro.

    ResponderExcluir
  3. Uauuuuuuu!
    Anotei o nome desse aqui.
    Não sou de ler muito o gênero, mas fiquei curiosa com o desfecho dessa historia.
    Conseguiu me convencer!!! =)

    Beijinhos
    Sou eu... Pri!

    ResponderExcluir

  4. Depois da decepção com Vingança da Maré, relutei em ler Restos Humanos. Mas não me decepcionei. Não achei tão bom como No escuro, mas é um livro notável. Em meu blog faço uma resenha dos três. Se quiser conferir:

    http://porquelivronuncaenguica.blogspot.com.br/2014/04/toc-pole-dance-e-solidao.html

    ResponderExcluir

 
♥ Meu Amor Pelos Livros ♥ - Todos os direitos reservados © 2014