18 outubro 2017

Conflito (Helen Bianchin)

Ficha Técnica:
Título Original: Wildfire Encounter
Autora: Helen Bianchin
Tradução: J. S. Trevisan
País de Origem: Austrália
Editora: Abril
Número de Páginas: 123
Ano de Publicação: 1982
ISBN-13:

Oi gente que ama livros, hoje venho com a resenha do 70º livro lido em 2017 e foi Conflito (Helen Bianchin). Dentro de um desafio literário que estou participando este ano, um dos itens era ler um livro sem saber absolutamente nada do enredo ou sinopse e vasculhando na estante, encontrei este romance de banca, bem antigo e surrado, que de fato, eu não sabia nada e encarei a leitura para cumprir com o tópico.

O livro nos traz a Mara, uma mulher de vinte e poucos anos que está assistindo a vida dela desmoronar porque o seu pai perdeu toda a sua fortuna em investimentos errados, e acabou cometendo suicídio por não conseguir enfrentar a situação. Além desta tragédia, sua casa está sendo leiloada e ela e sua mãe terão que se mudar para algo mais modesto. Neste meio tempo de coisas ruins, ela conhece Rafael, o homem que arremata a sua casa no leilão e ele lhe propõe algo estranho: permitirá que sua mãe continue morando na casa como se nada tivesse acontecido se Mara se casar com ele. Ela encara a proposta como absurda, mas temendo que a sua mãe definhe como o seu pai, ela aceita e se casa com Rafael, que tem uma filhinha chamada Ana e que se encanta por Mara logo nos primeiros instantes que se conhecem.

O livro então irá se desenvolver na relação complicada que Rafael e Mara estabelecem. Rafael é extremamente grosseiro e Mara muito imatura, e a narrativa é preenchida em um romance estilo “gato e rato”, com brigas infantis que na sua maioria, culminavam em cenas de sexo.

Pelo formato do livro, eu não imaginava encontrar nada muito profundo ou intenso, mas uma leitura de entretenimento, um pouco previsível talvez. Mas a história é cheia de furos e com várias passagens inconsistentes. Rafael é lindo fisicamente e muito rico, mas machista e violento. Várias cenas são de ameaças e de abuso emocional. Mara por sua vez, se apaixona cada vez mais por ele e isso ficou bem superficial no livro porque ele não deu um único motivo para ela desenvolvesse sentimentos por ele.

Rafael é um homem mais velho que já viajou o mundo todo e tem muita experiência de vida, mas ele era muitas vezes, mais infantil que a Mara, e isso é sempre decepcionante quando um personagem tem tudo para ser melhor do que de fato nos é apresentado.

Cumpriu com o objetivo de leitura leve e despretensiosa, mas tenho certeza que a história poderia ser bem mais interessante se os personagens pudessem amadurecer no decorrer da narrativa.

Um ponto alto do livro é o cenário. A história se passa pelo interior e litoral da Austrália e em partes temos a descrição do campo e em outras, das praias paradisíacas. Salvo isso, o livro foi bem fraco.

Como se trata de uma publicação muito antiga, acho bem difícil que alguém encontre o livro para ler, mas se encontrar e gostar do estilo brigas e erotismo, talvez a leitura seja mais interessante do que foi para mim.

Não gostei.


Um pouco sobre a autora: Helen nasceu na Nova Zelândia, onde cresceu. Por volta dos vinte anos fez uma viagem de navio com um namorado e por ficar doente na cabine da embarcação, gastou todo o seu tempo escrevendo, descobrindo assim o que queria fazer da vida. Mais tarde mudou-se para a Austrália e se profissionalizou, publicando mais de 30 livros. Todos os dias ela se obriga a escrever no mínimo 5 páginas de alguma história, como forma de disciplina. Alguns de seus livros publicados no Brasil são:
Os homens são todos iguais
Para Viver um grande amor
O Dilema de Natalie
Labirintos de Paixão
Tentação Morena
Com a primavera no coração
Conflito
Uma canção, duas vidas
Tirano sem coração
Estranho encantamento
Roma cidade do amor eterno
Coração Insensível
Um amor de férias
Um tigre domado
Um Homem muito Sensual
Esposa por acaso
A noiva rebelde
Doce Descoberta
Momento de Encanto
Véu de Intrigas

16 comentários:

  1. Eu descobri, há pouco tempo que esses livrinhos são retalhados e por isso acabam sempre na página 120 e algumas coisas ficam furadas ... fiz comparacões com alguns que a Harlequin relançou na integra e a diferença é grotesca ( esse da Helen não li! )

    ResponderExcluir
  2. Ivi lindona uma pena a história estar cheia de furos, eu particularmente não gosto de relações com tantas brigam sem uma razão coerente, chegando a ser infantil pois se torna uma leitura cansativa. Eu amo romances de banca, uma pena esse não atender as expectativas. beijos

    Joyce
    Livros Encantos

    ResponderExcluir
  3. Olá, ainda não conhecia esse livro e apesar de ter achado interessante a ambientação na Austrália, após ter um vislumbre pela sua resenha do quanto o mocinho é machista, é uma leitura que eu não gostaria de fazer, não tenho mais vontade de ler romances do tipo.

    ResponderExcluir
  4. Eu acho que pelo ano de publicação até tinha um pouco mais de machismo, mas com uma visão assim deve ter mesmo sido chato a leitura por isso nem me meto muito neste tipo de romance de banca sabe? E odeio largar leituras, imagine ter que sofrer até o fim? Mas vale se jogar em opções diferentes.

    ResponderExcluir
  5. Olá...
    Adorei a resenha <3
    Acho que esse livro não é uma leitura recomendável pra mim, pois, o livro tem vários aspectos que não curto em uma leitura, porém, creio que essa discrição dos cenários deve ser bem interessante.
    Bjo

    ResponderExcluir
  6. Olá Ivi.
    Na minha adolescência tinha uma amor por este tipo de livro, romances de banca rsrs. Li inúmeros títulos que emprestava de uma amiga que colecionava. Hoje percebo que quase todas histórias tinha um pouquinho do que você citou em sua resenha, tudo leve e despretensioso, mas que na minha idade era um conto de fadas.

    Beijos lindona.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Olá, Ivi!
    Como sempre, sua resenha está linda e super bem colocada. A principio, eu tinha começado a achar a premissa interessante, gosto dessa pegada clichê, mas no decorrer da resenha, fui percebendo que essa leitura não é para mim. Só pela descrição do mocinho e das infinitas brigas, já me desmotivou (hehehe). Acho difícil, como você mesma mencionou acima, encontrar esse livro por aí, mas, nada é impossível hoje em dia. Parabéns pelo lindo trabalho!

    ResponderExcluir
  8. Oie, tudo bem?
    Ah, odeio protagonistas que se apaixonam por personagens machistas e violentos. Tipo: COMO?
    Não curto erotismo também, então acho que passo a dica, até porque parece mesmo ser uma edição bem antiga, como todas as de banca...

    ResponderExcluir
  9. Oie!

    Gosto desses livros de bancas antigos, mas não com um tema como esse, acho que me irritaria bastante lendo a obra, mas tem muitos que são muito bons, mas dessa vez passo a dica, espero que sua próxima experiencia com livros de banca seja melhor!

    BJss

    ResponderExcluir
  10. Olá, tudo bom?
    Então, esse livro não chamou em nada minha atenção ><" Acho que tem muitos livros mais com essa temática de gato e rato com uma pitada erótica que são mais bem desenvolvidos né? Me incomodaria muito ler uma história onde os personagens não evoluem em nada e que as atitudes não condizem em nada com a idade e experiência que tem. Eu, assim como você, não gostaria. Bem, fico feliz que pelo menos a ambientação tenha sido boa rs
    Beijos!!

    ResponderExcluir
  11. Oi Ivi.
    Minha mãe tem muitos romances de banca aqui em casa, a maioria da década de 70. E a maioria deles tem esses defeitos que você mencionou. Eu pego para ler de vez em quando porque gosto da ambientação e de ver mais ou menos como as coisas eram naquela época. Normalmente eu pulo as cenas eróticas, parece que elas são mais fortes, menos romantizadas que as dos livros atuais.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  12. Oii!!
    Que pena que não gostou do livro, eu nunca tinha escutado falar sobre ele.
    Eu também prefiro que os personagens vão se desenvolvendo durante a leitura, por que personagem com atitude de criança, chega uma hora que cansa ler rs. Como é um livro antigo e sua opinião foi negativa, vou levar isso em consideração e deixar passar essa dica. Pelo menos você não ficou decepcionada, pois não chegou a criar expectativas.
    Beijos

    ResponderExcluir
  13. Oi Ivi,
    Não conhecia esse título nem essa autora, mas vi que ela tem muitos livros publicados, me senti uma estranha hahah.
    Quando comecei a ler sua resenha pensei que seria uma história bastante interessante, mas vi que é mais do mesmo, personagens imaturos que não amadurecem em momento algum.
    Vou passar a dica, não é pra mim.
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  14. Oi, Ivi! Nunca havia lido a respeito desse título, na verdade, não sou muito chegada em romances de banca - pra ser sincera nunca dei uma chance, na verdade. Mas quem sabe futuramente não crie interesse, né?! Uma pena que você tenha encontrado diversos furos no livro e que não tenha se interessado tanto. Dessa vez deixo a dica passar, mas adorei ler suas impressões a respeito da obra! Beijos.

    ResponderExcluir
  15. Creio que esta também não seria uma leitura a me atrair, pois quando os personagens não nos cativam é difícil, né? Mas adorei a descrição dos cenários <3

    ResponderExcluir
  16. Oi Ivi! Tudo bem?
    Conheço muito poucos livros passados na Austrália e esse com certeza, apesar do desenvolvimento bem meh, tem uma proposta até boa. Claro que dificilmente os anos oitenta não tinham seus aspectos tensos, ainda mais quando o politicamente incorreto imperava em tudo.
    Abraços e beijos da Lady Trotsky...
    http://rillismo.blogspot.com

    ResponderExcluir