12

A Menina Que Contava Histórias (Jodi Picoult)

FICHA TÉCNICA:
Nome Original: The Historyteller
Autora: Jodi Picoult
Tradução: Cecília Camargo Bartolotti
País de Origem: Estados Unidos
Páginas: 490
Ano de lançamento: 2015
ISBN: 9788576863984
Editora: Verus Editora

Oi gente que ama livros, hoje venho com a resenha do 71º livro lido em 2015 e foi A MENINA QUE CONTAVA HISTÓRIAS (Jodi Picoult). Não é segredo para ninguém que desde o meu primeiro contato com a narrativa da Jodi, fiquei totalmente fã da autora e sendo assim, não preciso de motivo nenhum para me jogar em qualquer um de seus livros.
"Quando se é escolhido para ser torturado por causa da sua fé, pode a religião ainda ser vista como um farol? página 66
Este livro aqui nos traz a Sage, uma jovem de 25 anos que ainda guarda o luto pela morte da mãe que faleceu em um acidente de carro, o mesmo acidente que deixou uma cicatriz grande no rosto de Sage. Em função desta perda, ela acaba se escondendo de todos. As duas irmãs mais velhas, moram longe e são muito diferentes de Sage; ela tem uma boa amiga, a Mary, uma ex freira que é dona de uma padaria de pães artesanais onde Sage trabalha durante as noite como padeira. Sage tem ainda sua avó de mais de 90 anos, que mora próxima a ela, mas vive em um condomínio para idosos e Sage tem também um namorado, que infelizmente, não a faz feliz.


Toda esta descrição da protagonista ainda não é o suficiente porque o livro irá se desdobrar sobre uma característica que Sage não dá a minima atenção: ela é judia e acaba conhecendo um senhor muito idoso no grupo em que frequenta para enlutados. O Josef, este senhor, se aproxima de Sage e ambos desenvolvem uma amizade até que ele conta para Sage que foi um nazista e lhe pede um favor. Embora Sage não pratique a religião da sua família, na verdade ela não acredita em nenhum deus, Sage sente uma repulsa grandiosa por Josef porque a sua avó, Minka, foi uma sobrevivente, ela esteve nos campos de concentração, assistiu e sofreu os horrores que toda a sua geração de judeus teve que suportar.
"Você vai me perguntar, depois disso, por que eu não lhe contei antes. É porque eu sei como uma história pode ser poderosa. Ela pode mudar o curso da história. pode salvar uma vida. mas também pode ser um sumidouro, uma areia movediça em que se fica preso, incapaz de se libertar " página 375
O livro então irá se desenvolver em Sage denunciar Josef para o governo, e assim conhecer o Leo, o agente federal que trabalha com isso e também, o livro nos contará a história de Josef, como ele se tornou um nazista e como Minka sobreviveu ao holocausto.

Vejam bem, aqui temos mais um livro que tem como cenário a Segunda Guerra Mundial e mais uma vez, a narrativa traz descrições sobre a tortura dos alemães sobre os judeus, porém, ainda que seja mais um, em nenhum momento é apenas mais um livro sobre a guerra. A abordagem que a autora faz do assunto e a forma como ela construiu os seus personagens, traz algo completamente novo para o leitor e mais uma vez, com uma narrativa intensa, muito bem argumentada, descritiva e envolvente, a história se torna extremamente original ainda que os cenários e os nomes nos remetam a outros livros.
"Cada lembrança é como uma flor de papel guardada na manga de um mágico: invisível em um momento, depois tão real e viva no momento seguinte que não dá para entender como permaneceu escondida por tanto tempo." página 50
Este livro me torturou, me envolveu, me emocionou e como todos os livros que eu li da autora, trouxe uma gama tão rica de informações e conteúdo, que quando virei a ultima página, me sentia uma verdadeira mestre nos assuntos abordados. A autora nos traz muitos dados, sub histórias e informações no seu texto, e ainda assim, os parágrafos são ricos em emoção, humanidade e sentimentos. Odiamos e amamos. Torcemos. Choramos e rimos. O livro é completo.


E como se isso não bastasse, traz um reviravolta nas ultimas páginas que faz você se sentir atropelado. Ainda que Sage tenha uma baixo auto estima e se coloque muitas vezes no papel de vitima, ela é adorável do começo ao fim. Josef e Minka poderiam ser as extremidades de uma balança de pesos, porém a analogia seria pobre demais. Josef nos conta o que fez uma criança comum na Alemanha se tornar um assassino  e Minka fala com amor, saudade e muito brilho da força e da fé dos judeus. E temos a inteligência de Leo, administrando um caso concreto em que ele terá a oportunidade de ver mais um nazista pagar por seus crimes.

Todo e qualquer elogio que eu possa dar para este livro, ficará muito aquém do que eu realmente gostaria de dizer. O livro despertou em mim compaixão, amor e sobretudo, esperança. Mesmo abordando um assunto tão desgastado, a história é profunda, rica e com direito á um romance bonito, simples e que mesmo não sendo o foco central do livro, me fez suspirar.


Adorei!!! Eu tinha uma grande expectativa para com esta história, mas o livro foi muito além. O livro aqueceu meu coração quando falou de família e vínculos. O livro me fez sentir medo e frio quando falou da monstruosidade do holocausto e o livro me alegrou com um final surpreendente, forte e consistente.

Recomendo para todo tipo de leitor porque a narrativa da autora é poderosa. Ela traz um assunto pertinente, forte e envolvente e sobre este tema, nos apresenta personagens tão humanos e críveis que você consegue ouvir suas vozes, sentir suas presenças e se emocionar com suas histórias. Se você gosta de narrativas que tenham a segunda guerra mundial como cenário, este livro é a perfeição. Se você gosta de uma narrativa que valorize a família e o amor, aqui também temos isso de forma real e verdadeira e, se você gosta de concluir uma leitura se sentindo uma pessoa melhor, este livro é a indicação perfeita.

O livro é maravilhosamente completo!!!

Observações: Existe um trecho do livro, a chegada de Minka ao campo de concentração que me emocionou muito. Como ficaria enorme para transcrevê-lo aqui, gravei um áudio para quem tiver curiosidade. Não contem spoiler.



Um pouco sobre a autora: Jodi Picoult nasceu e cresceu nos Estados Unidos. Estudou Inglês e escrita criativa na Universidade de Princeton e publicou dois contos na revista Seventeen enquanto ainda era estudante. Aos 38 anos é autora de onze best sellers. No Brasil, alguns de seus livros publicados são:


Comentários
12 Comentários

12 comentários:

  1. Ivi, que livro! eu ainda não o conhecia mas amo livros que se passem ou falem sobre a guerra, imagino que os relatos devem ser muito fortes, eu fiquei extremamente curiosa para conhecer esse, li a sua resenha todinha, palavra por palavra imaginando como é o livro. Muito obrigada por me apresentar a ele e eu espero que o leia logo, porque é certo que o comprarei.

    ResponderExcluir
  2. Oi Ivi. Nossa, esta sua resenha mudou totalmente o conceito que eu tinha do livro. Sabia que era bom mas você fez uma resenha bem completa. Você disse certo, é sobre algo de guerra, mas acredito que tenha muito mais além disto pelo que contou aqui na resenha. Adoro livros de drama assim e tenho vários ainda para ler, mas sua resenha emociona só pelo fato de ter colocado suas emoções nela. Parabéns!


    Beijos,

    Greice Negrini

    Blogando Livros
    www.amigasemulheres.com

    ResponderExcluir
  3. Adorei sua resenha, bem completa.
    Amo livros que contam a época de guerras, também acho que estamos tendo uma overdose desse tema, acho também que apesar dessa overdose sempre irei me emocionar com esses relatos.

    www.poyozodance.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Olá, Ivi.
    Como todas as resenhas que você escreve, essa também está ótima. Eu ainda não conhecia o livro, mas agora eu preciso ler ele. Eu gosto muito de histórias que tenham como tema a segunda guerra, mas esse tem o diferencial de mostrar o depois, o agora dos dois lados da guerra na forma dos personagens. Assim que der eu vou ler.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  5. Olá Ivi! Menina, não conhecia essa autora, mas de já fiquei com vontade de ler suas obras, pois gosto quando o autor nos faz sentir tudo que as personagens sentem. Bom, espero gostar da trama e parabéns pela bela resenha

    Beijos da Fê
    As Catarina´s

    ResponderExcluir
  6. Uau... amei!
    Depois da sua resenha só consigo pensar: como eu não li esse livro antes??
    Adoro livro que trazem a segunda guerra mundial. Mas as vezes evito ler pq tem uma sobrecarga emocional muito grande. Saber que todo aquele sofrimento é real parte meu coração a cada palavra lida.
    Gostei do fato desse livro ter como foco principal a história da Sage, mas ainda assim falar sobre a guerra.
    Quero muito ler!
    Obrigada pela dica.
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Oiii!

    Ivi querida! Não conhecia esse livro meudeus!
    Eu confesso que sou um pouco receiosa com essa temática sabe? Daí eu meio que acabo deixando de lado, mas depois de ver o quanto mexeu contigo, não deu outra, quero ler e me encantar pelo enredo como você.

    Sempre digo, que o autor ganha o mundo quando consegue despertar tantos sentimentos em nós leitores. Tenho certeza que isso aconteceu contigo!


    Beijinhos,
    www.entrechocolatesemusicas.com

    ResponderExcluir
  8. Olá!

    Adoro livros que misturam ficção com fatos reais. Esse eu leria, se você não tivesse falado da tortura contra os judeus. Eu não suporto livros que detalham torturas, principalmente se estas realmente aconteceram. Não é por mal, apenas não tenho estômago para imaginar uma pessoa no extremo do sofrimento. Mas adorei a premissa do livro, simplesmente maravilhosa!

    resenhaeoutrascoisas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Pelo seus comentários sobre o livro deve ser emocionante do inicio ao fim mesmo. Livros assim me chamam muita atenção, pois acho que ele sempre nos acrescentar mais conhecimento e sempre te faz viajar por um mundo incrível.

    Interessante é que se trata de um assunto que até hoje causa muita polêmica.

    Não conheço a escritora, mas gostei muito como vc e a elogiou.Gostei muito da sua resenha!

    bjus

    ResponderExcluir
  10. Olá, tudo bem?

    Eu fiquei sabendo um pouco mais da autora através da booktuber Pam Gonçalves, e fiquei muito maravilhada com a resenha de Dezenove Minutos, mas no quesito curiosidade esse passou na frente. Não tenho o hábito de ler livros que se passem na segunda guerra mundial, porque sempre são triste e eu acabo chorando, mas me interessei por esse e quero muito ler.

    Beijos,
    entreoculoselivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Amiga eu li a resenha do livro e sinceramente no começo eu comecei a me sentir atraida por conta da situação da personagem e tudo mais, mas depois começou a mudar as coisas eu já não curti. Não gosto muito desse gênero de livro. Mas o pior que o começo já tava me convencendo para colocar nos desejados e depois que li o resto desisti ! ehehehe....Mas mesmo assim vou tentar ler os primeiros capitulos do livro, até porque eu posso me enganar também né? Adorei tudo que tu abordou. Ficou realmente muito bom. PARABÉNS!

    http://lovereadmybooks.blogspot.com.br/2015/11/livros-que-marcaram-4.html

    ResponderExcluir
  12. Oi Linda!
    Adoro livros com esses temas fortes e como o cenário é a segunda guerra, já podemos esperar um livro emocionante.
    Não conhecia o livro, mas gostei muito das suas impressões.
    Amei a dica.
    Beijinhos
    Rizia - Livroterapias

    ResponderExcluir

 
♥ Meu Amor Pelos Livros ♥ - Todos os direitos reservados © 2014